Gallery
Links Úteis
 

Avaliação e Monitora
News > “Os Muçulmanos e o enfrentamento ao terrorismo e radicalismo”


  Print        Send to Friend

“Os Muçulmanos e o enfrentamento ao terrorismo e radicalismo”

Discurso do Excelentíssimo Senhor

Seyed Ali Saghaeyan, Embaixador da República Islâmica do Irã no Brasil

Por ocasião do Encontro Islâmico: “Os Muçulmanos e o enfrentamento ao terrorismo e radicalismo”

São Paulo, 29 de julho de 2017.

 

Em nome de Deus, Clemente e Misericordioso

 

Com minhas saudações e bênçãos de Deus, ao Mohmmad Mostafa o último Profeta e Mensageiro da Moral e da Dignidade Humana.

Excelentíssimas Autoridades, Teólogos, Religiosos e Honrados presentes,

 

Desejando as boas vindas e sucesso a todos os presentes, devo expressar minha gratidão aos programadores e organizadores desta reunião tão importante.

O terrorismo e extremismo são termos antigos que tem a raiz no autoritarismo e o senso de busca do poder e interesse próprio no ser humano; essa atitude existia variavelmente em todas as religiões, em todas as sociedades e em todas as épocas. Portanto não é possível definir um limite periódico ou uma fronteira geográfica.

          O perigo do terrorismo de qualquer lado que seja, sempre é grande. Porque mira sempre na vida humana. Na Religião Islâmica tirar a vida de um inocente é como tirar a vida de toda humanidade. Mas o que é mais importante, e acho que ocupa grande parte da nossa reunião, são os dois seguintes assuntos:

1-   Conhecimento de origens do terrorismo e extremismo, motivos e razões de suas formações e perpetuação:

O uso da força extrema, ultrapassando as regras e limitações, para alcançar um objetivo, seja um objetivo individual, ou seja social, existia em toda a história da humanidade, uma atitude que não se limita a um período específico.

          Esta atitude existia antes do Islam de uma maneira peculiar à época. Num aspecto geral se manifestava em forma das guerras territoriais ou simplesmente guerras para o poder que duravam décadas. A descoberta da pólvora e fabricação de armas acentuaram e complicaram ainda mais este fenômeno. Hoje esta atitude preparou um ambiente propício para o uso de melhores elementos seja para expandir o extremismo seja para coordenar esses grupos e relacioná-los entre si.

          Explicando melhor, os indivíduos ou os grupos que não atingem os seus objetivos pelo diálogo, escolheram o caminho de força extrema. A derrota nesse caminho leva à formação da união e estruturação do extremismo, terrorismo e da violência.

          De um outro ponto de vista, as sociedades em desenvolvimento ficaram divididas por causa dos ataques, invasões e conflitos entre si; assim, o processo de seus desenvolvimentos encontraram barreiras. A pobreza nessas sociedades está se acentuando e se agrava cada vez mais. Os efeitos negativos desta situação, como o aumento de taxas de desemprego e um panorama fraco e incerto para um futuro melhor, faz prever uma sociedade debilitada. Essa situação prepara o terreno para a aparição e desenvolvimento de várias formas de debilidades sociais e violências políticas crescentes.

          Outro elemento importante é a incapacidade da organização e ordem governamental para responder a necessidade básica da população. Certamente, isso poderia ser analisado no quadro de incapacidade decepcionante do mundo Islâmico para resolver a situação da Palestina.

          As medidas perigosas tomadas pelo regime de Israel para continuar a ocupação, as violações repetidas dos direitos dos Palestinos e outros países, as políticas expansionistas que continuam durante décadas acentuam-se graças ao apoio explícito do novo governo dos Estados Unidos da América à este regime. Esse regime sionista que desde 1948 até agora invadiu, pelo menos, quatorze vezes os seus vizinhos e outros países da região e continua esta atitude e reprime violentamente os Palestinos com respaldo dos Estados Unidos da América. A última crise no Beit-Ol Moghaddas, proibição da entrada dos muçulmanos na Mesquita Al Aghsa é o último exemplo da medida ilegal desse regime. Inclusive, ele violou vários resoluções do Conselho da Segurança das Organizações das Nações Unidas. Existem inúmeros documentos nos relatórios da ONU sobre as políticas invasivas, Apartheid, os crimes de guerra cometidos por este regime. Continuação da construção ilegal das Colônias nos territórios Palestinos, violação da 4ª Convenção de Genebra, são exemplos dos crimes de guerra. Todas as atitudes deste regime demonstram que ele nunca procurou a paz, e a sua participação nas negociações são meramente para ganhar tempo e continuar a invasão e o expansionismo.

 

 

2-   A situação atual e as maneiras de enfrentamento.

Os acontecimentos no cenário internacional, especialmente o desmantelamento da União Soviética, o aparecimento de um vazio do poder nesse cenário, propiciaram o unilateralismo. Esta situação, infelizmente, deu à alguns países e pólos de poder a oportunidade de perpetuar suas dominações às regiões geopolíticas do mundo, especialmente do Oriente Médio e a sua periferia, usando os elementos de extremismos. A formação dos grupos terroristas e extremistas foi um dos sucessos importantes deles na região e no mundo islâmico. Este procedimento causou a instabilidade permanente no Afeganistão, guerra e massacre no Iraque, na Síria, destrução de infraestruturas e uma grande parte da riqueza cultural e civilização islâmica.

Por isso, agora os sábios e intelectuais dos Centros Islâmicos em regiões mais remotas do mundo islâmico, tem essa pesada responsabilidade, no sentido de fazer reconhecer o verdadeiro Islam aos jovens, enriquecendo os seus pensamentos, desenvolvendo programação e desempenhando os esforços necessários. E para preservar a união no mundo islâmico, organizar as reuniões para a troca de ideias e procura de soluções convenientes.

Espero que a reunião de São Paulo seja um início nesse sentido, e no futuro, além da continuação dessas reuniões com a participação das religiões e altas personalidades Islâmicas sejam realizadas outras reuniões similares com a participação de integrantes de outras religiões, para esclarecer a verdadeira imagem do terrorismo e seus apoiadores explícitos ou disfarçados.

Finalmente, devo agradecer ao Governo Brasileiro, ao honrosos responsáveis do Governo do Estado de São Paulo, Polícia Federal e a Polícia Federal que apoioaram a realização desta reunião.

Obrigado!


17:04 - 31/07/2017    /    Number : 468268    /    Show Count : 25



Close




Ministry of foreign affairs,
Islamic Republic of IRAN,
All Rights Reserved - 2014